Quando os alunos entram para a escola sentem uma certa apreensão quanto aos conteúdos programáticos da matemática de escolaridade obrigatória que estão prestes a estudar — pelo menos durante a chamada "escolaridade obrigatória", que é gratuita e direcionada para todos os que têm entre 6 e os 18 anos de idade, abrangendo o ensino básico (1.º, 2.º e 3.º ciclos) e o secundário (até ao 12.º ano).

Entre muitas disciplinas, no currículo disciplinar dos estudantes figura também a matemática, estruturada em domínios, que, por sua vez, incluem diversos conteúdos. Entre números naturais, medidas, figura geométricas, multiplicação, tratamento de dados, alfabeto grego (etc.), muitas são as matérias que os alunos estudam e nas quais são avaliados — até que, no 9.º ano, o aluno escolhe a área de estudos que prefere, podendo ou não continuar a ter matemática — a chamada matemática a ou matemática aplicada às ciências sociais (MACS)

Mas porquê estudar matemática? Para alguns, pode não ser assim tão evidente, mas usamos noções matemáticas constantemente no nosso quotidiano: em compras, para saber qual o desconto que determinada promoção nos dá, ou para distribuirmos irmamente uma pizza por seis pessoas. De facto, a matemática ajuda-nos a estruturar o pensamento, a raciocinar de uma forma dedutiva, a compreender — aliada à Física e à Química — certos fenómenos que ocorrem na natureza e até a interpretar a sociedade em que nos inserimos  — pense-se, por exemplo nos estudos da Estatística.

Contudo, sabemos bem que nem sempre é fácil tirar boas notas a matemática. É essencial ser-se um aluno dedicado e esforçado, ter um bom professor e, claro, "meter as mãos na massa", estudando, de preferência todos os dias. E para que o estudo seja o mais produtivo possível, convém tirar vários apontamentos nas aulas, fazer resumos — reformulando o que se aprendeu — e fazer muitos exercícios. Só assim será possível tirar boa nota no exame nacional de matemática.

Ainda assim, por vezes, é difícil garantir boas botas a matemática. Felizmente, podes sempre recorrer a aulas e explicações de matemática da Superprof — onde podes optar por aulas de matematica presenciais por por aulas virtuais leccionadas por professores que ajudarão no esclarecimento de dúvidas, explicando a matéria de uma forma personalizada e adequada ao teu ritmo de aprendizagem. É possível escolher o professor de matemática mais apropriado ao aluno, às suas necessidades e ao seu horário.

Como passar do ensino básico para o secundário sem chumbar a matemática!

Como passar do ensino básico para o secundário sem chumbar nesta tão temida disciplina? Se no 9.º ano a vida escolar era mais fácil, no 10.º tudo se torna mais sério — e já mais próximo da vida adulta. E porquê? Nesta altura passa a ser obrigatório ter positiva a todas as disciplinas, os conteúdos são mais complexos e, além disso, espera-se que os alunos sejam mais autónomos e que professores e alunos desbravem o caminho de como estudar para os exames nacionais, onde uma série de matérias do 10.º, 11.º e 12.º ano de escolaridade será avaliada.

Pessoa a fazer medição
Praticar muitos exercícios é essencial para tirar boa nota nos exames de matematica. | Fonte: Visual Hunt

Álgebra, probabilidades, estatística e cálculo integral são só alguns dos conteúdos que os alunos devem dominar para as provas de aferição e exames de matemática, conhecendo a parte teórica e estando aptos à resolução de exercícios. Por isso, durante o período de preparação, convém que os estudantes tenham vários livros de fichas para fazer — como forma treino para o exame —, para além de diferentes manuais de matemática, uma vez que livros diferentes possuem maneiras de explicar também diferentes que podem ajudar a esclarecer aquela dúvida insistente. E não é preciso sequer comprá-los, uma vez que as bibliotecas escolares ou municipais oferecem uma vasta oferta de manuais. Basta não ter preguiça e ir à procura!

Além disso, convém que o aluno esteja à vontade com o seu professor para expor questões, não tendo receio de insistir numa determinada matéria se não estiver a percebê-la. A persistência é amiga da perfeição e só assim o estudante pode almejar uma nota de excelência no exame.

No entanto, mais importante do que tirar 20 a matemática é o equilíbrio emocional do aluno. Durante a preparação para os exames, muitos alunos entram numa espiral de nervosismo, estudando em excesso sem reservarem tempo para descansar.

Na verdade, a ansiedade e o stress podem arruinar também um desempenho num exame. Portanto, o estudante deve certificar-se que tem noites bem dormidas e reservar tempo para estar entre amigos e família. Em suma, a calma e a confiança são palavras de ordem para o sucesso no exame de matemática.

Ser ás a matemática: algumas dicas para preparar o Graduate Management Admission Test

Estas dicas são também válidas para qualquer teste, sobretudo para aqueles de maior peso, como é o caso do Graduate Management Admission Test, um exame de matematica em inglês, sobretudo destinado a estudantes dos países anglófonos, mas que pode ser realizado por todos os que falem inglês e queiram candidatar-se a uma escola de negócios americana ou europeia.

Constituído por uma parte oral e por uma parte prática, com questões quantitativas, questões de vocabulário e duas provas de redação analítica, são vários os conteúdos avaliados no GMAT . Portanto, convém que aqueles que se propõem a fazer este exame conheçam todos os conhecimentos de matemática que aprenderam no ensino básico e secundário e que se preparem, em geral, muito bem para o GMAT.

Livros empilhados
Um estudo eficiente para o GMAT deve incluir a consulta de vários manuais de matemática. | Fonte: Visual Hunt

Mas é preciso notar que este não é um exame comum, já que é "computer adaptive", ou seja, se o aluno responder bem à primeira questão que lhe é colocada, a próxima será mais difícil (e vice-versa).

Contudo, não é por ter esta adaptabilidade ao aluno que o GMAT se torna um teste fácil... Pelo contrário, exige preparação, uma revisão profunda e um estudo intensivo de todas as matérias de matemática e até mesmo explicações de matemática com um profissional Superprof. Os estudantes podem ainda fazer uma simulação do GMAT on-line, de modo a estarem familiarizados com o tipo de prova, e devem testar o seu nível de inglês, para que a barreira linguística não seja a razão pela qual não são capazes de responder às perguntas.

Quanto maior for a nota obtida no exame, mais hipóteses os alunos terão de ingressar, por exemplo, num bom mestrado na área dos negócios. E, claro, uma boa nota no GMAT é sempre, para quem estuda matemática, uma enorme vantagem curricular.

A matemática é uma porta para o estudo de muitas outras ciências exatas

Como sabemos, a matemática abre portas para o estudo de muitas outras ciências exatas, pelo que os alunos que estudarem matemática no ensino superior terão várias hipóteses de vida profissional à sua frente.

Mas de que ciências exatas e áreas falamos ao certo? Ora, por exemplo, da Química, em que se estudam, entre outros aspetos, as reações provocadas entre substâncias, em laboratório; ou mesmo da Física, em que se estudam as relações entre matéria e energia.

Também a Astronomia pede inúmeros conhecimentos matemáticos no estudo e investigação do seu objeto de estudo: a matemática. Por isso, para os alunos que ao gosto pela matemática aliem uma intensa curiosidade relacionada com o Universo, esta pode ser uma alternativa viável, já que existem muitos cursos relacionados com o estudo do cosmos.

Astronauta e planeta Terra
A Astronomia requer muitos conhecimentos matemáticos. | Fonte: Visual Hunt

Além disso, nas Engenharias — civil, mecânica ou química — e na Arquitetura também são requeridos conceitos matemáticos e ainda bem! Imagine-se o desastre que seria se um engenheiro civil e um arquiteto sem noções de matemática projectassem um edifício...

Quanto à Estatística, se o aluno gostar de percentagens, gráficos e questionários, esta pode ser uma área pela qual queira enveredar. Este é um domínio que interliga fatores económicos e sociais às questões matemáticas — lembremo-nos, por exemplo, de que os estudos demográficos são feitos por profissionais desta área.

Para quem adora as famosas "contas", porque não ser contabilista? Os contabilistas são profissionais que têm, sobre si, muita responsabilidade — fazendo, por exemplo, o balanço das transações financeiras e ajudando, nomeadamente, diretores de empresas a tomarem decisões importantes.

Por fim, a área da Tecnologia também pede — sobretudo atualmente — pessoas formadas em cursos com uma forte componente de matemática. Entre outras atividades, os programadores criam aplicações e softwares adaptados às necessidades dos clientes. Nos dias que correm esta é uma área com imensa procura, havendo várias vagas à espera dos amantes da matemática.

Mulheres a trabalhar em frente ao computador
A área da Tecnologia requer noções matemáticas e está muito em voga. | Fonte: Visual Hunt

O que fazer para se tornar um profissional da matemática?

Como vimos, são muitas as áreas de trabalho ligadas à matemática. Porém uma questão importante urge: o que fazer para se tornar um um profissional da matemática? O caminho é longo e deve ser pautado, desde cedo, pela demonstração de capacidades e do gosto pela matemática.

Antes de mais, deve ser um aluno muito bom ou excelente no ensino básico e, sobretudo, no secundário. Posteriormente, o aluno deverá preparar-se o melhor possível para os exames de matematica — de modo a que tenha boas notas e, assim, consiga uma boa média — fulcral para garantir a entrada em determinados cursos de matemática (ou ligados a esta disciplina) que pedem notas bastante altas — como é o caso de Engenharia Aeroespacial no Instituto Superior Técnico.

Obviamente que, no que toca ao ensino superior, o estudante pode optar pelo ensino público ou privado, mas essa é uma decisão que depende de muitos critérios como: a nota de ingresso, a cidade em que o aluno vive, as suas metas profissionais, a sua religião e, sobretudo, o seu orçamento.

Uma vez na faculdade, o estudo deve ser diário e intenso, já que as matérias são complexas e muitos dos testes desafiam verdadeiramente o aluno. Depois de uma licenciatura de três anos — que pode ou não anteceder um mestrado, o estudante fica então apto a exercer uma atividade profissional na área estudada.

E quais são as saídas profissionais para quem estudou ou ingressou em matemática?

No que diz respeito às saídas profissionais para quem estudou matemática as opções são muitíssimas. Listamos apenas algumas:

  • Atividade administrativa: área em cujos profissionais da área da matemática fazem pedidos de financiamento ou participam nos conselhos da universidade, no caso de lá trabalharem.

 

  • Investigador de matemática, cujas atividades passam, entre outras, pela formulação e verificação de hipóteses no domínio da matemática, pela investigação e pelo ensino.

 

  • Professor de matemática, que deve transmitir a matéria de forma clara mas também entusiasta nas aulas de matemática, podendo ser — no caso de professores universitários — orientadores de mestrados e doutorandos.

 

  • Matemático ou programador para empresas, que toma decisões estratégicas relacionadas com os negócios da empresa a partir da análise de informação e da criação de software específico.

 

Se ainda estiver na dívida sobre a utilidade da matemática e a viabilidade destas vertentes profissionais, lembre-se das invenções criadas como consequência de um árduo trabalho de investigação em matemática. Algumas delas são:

  • o GPS;
  • a criptografia;
  • a informática;
  • a programação;

Como fica claro, são muitas as profissões, áreas e invenções que nasceram a partir da matemática. Portanto, se o aluno vive e respira números, há todo um leque de opções à sua espera. A Superprof espera ter elucidado todos aqueles que adoram matemática e ponderam um futuro profissional ligado a esta intrigante e desafiante disciplina!

Precisa de um professor de Matemática ?

Gostou deste artigo?

5,00/5, 1 votes
Loading...

Elsa

Trabalho na área da consultoria linguística e produção de texto há três anos e sou, actualmente, professora de português para estrangeiros. Dedico a maior parte do meu tempo livre à leitura e à escrita, tendo já publicado crónicas e poesia em revistas culturais e literárias.