Todos os que já terminaram a escolaridade obrigatória sabem que passar do ensino básico para o secundário não é pera doce!

E na matemática mais ainda, já que parece que passamos de praticar a destreza em simples continhas de subtração e adição para o domínio de equações de 1.º e 2.º grau, probabilidades, matrizes, funções e muito mais!

É verdade, ninguém nega: em qualquer disciplina do sistema educativo português, a dificuldade aumenta muito nos últimos três anos de escolaridade (isto é, no ensino secundário). E no caso da matemática – a disciplina que tantos temem – não é diferente!

E isso não acontece apenas porque as matérias lecionadas são mais complexas, mas também porque os alunos estão numa fase francamente complicada: a puberdade. Além disso, enquanto procuram definir a sua identidade, os alunos do ensino secundário estão também em eterna antecipação pelos exames de matematica!

Sim, porque o exame nacional de matemática tira o sono a qualquer um, não só por ser um grande desafio, mas porque é com ele que os alunos podem ingressar na universidade e, mais tarde, eleger uma entre inúmeras profissões a que a formação em matemática pode dar acesso.

Uma aluna a dormir em pé, de pijama, numa sala de aula.
O exame nacional matematica tira o sono a todos os alunos do secundário | Fonte: Pixabay

Mas calma! Antes de entrar em pânico e mergulhar imediatamente em pesquisas sobre como preparar o exame nacional de matemática (e, sim, tirar uma nota brilhante no exame nacional de matemática está ao alcance de todos!), a Superprof prova que é possível passar do ensino básico para o ensino secundário, brilhando na matemática

Do ensino básico para o secundário: as grandes diferenças

No 9.º ano brincava-se com bonecas e playmobil e, agora, no 10.º ano tem de ser encarar a vida com os olhos de um adulto?

Sim, é mais ou menos isso.… mas, respiremos fundo. A mudança pode parecer abrupta, mas o aluno pode (e deve!) encará-la com naturalidade. A verdade é que, mais cedo ou mais tarde, cansar-se-ia de viver num universo infantil, querendo ser adulto de uma vez por todas. E a passagem do ensino básico para o secundário é o momento ideal para isso.

No secundário, responsabilidade é a palavra de ordem! E com a passagem do 9.º para o 10.º ano de escolaridade, os alunos devem contar com as seguintes grandes mudanças:

  • passa a ser obrigatório ter positiva a todas as disciplinas para passar de ano;
  • as matérias são muito mais complexas e exigem mais estudo;
  • o ambiente de aulas é mais exigente e deve ser encarado como um local de trabalho;
  • os alunos precisam de ser mais autónomos;
  • os professores vão adaptar o programa para que os alunos saibam como estudar para os exames nacionais.

No caso da matemática, tudo isto se aplica, mas é necessário que o aluno saiba quais são as principais diferenças entre o ensino básico e o ensino secundário da matemática para que possa vingar nesta disciplina e terminar a escolaridade obrigatória, com todos os conteúdos programáticos da matemática do 1.º ao 12.º ano na ponta da língua!

Ora, de acordo com os documentos curriculares de referência para o ensino básico em Portugal, o ensino básico da matemática segue uma estrutura sequencial com foco na aprendizagem progressiva – que se justifica pela necessidade de consolidar conhecimentos que dependem de outros adquiridos previamente – e incide na aquisição da noção de abstração – que deve ser gradualmente adquirida através de objetos, conceitos e linhas de raciocínio lógico.

Só assim o aluno poderá alcançar os três grandes objetivos do ensino básico da matemática:

  • aprender a estruturar o pensamento;
  • ser capaz de analisar o mundo natural;
  • ser capaz de interpretar adequadamente a sociedade.

Assim, terminado o 3.º ciclo do ensino básico, ao aluno só é exigido que saiba:

  • utilizar conceitos matemáticos;
  • justificar os passos utilizados para resolver um problema;
  • apresentar demonstrações matemáticas simples, mas rigorosas;
  • identificar as propriedades matemáticas a utilizar em cada enunciado.
Menina com um lápis e um caderno, a estudar matemática.
Os conceitos de matemática adquiridos no ensino básico são cruciais para o futuro dos alunos | Fonte: VisualHunt

Contudo, com a passagem para o secundário, não só os próprios temas abordados no ensino da matemática são infinitamente mais complexos, como o que reina é a abstração e a aplicação dos conhecimentos adquiridos em contextos tecnológicos diversificados!

Desta forma, no ensino secundário, o aluno deve estar preparado para mergulhar nas áreas mais complexas da matemática, e que são ensinadas por domínios, ao longo do 10.º, 11.º e 12.º ano de escolaridade:

  • Lógica e Teoria de Conjuntos
  • Álgebra
  • Funções Reais de Variável Real
  • Estatística
  • Geometria Analítica
  • Probabilidades
  • Trigonometria
  • Primitivas e cálculo integral

Só dominando todas estas matérias é que o aluno poderá ser um ás da matemática, sabendo exatamente como passar, saber tudo e até viver da matemática!

Dúvidas em matemática: nunca mais!

Com tantas novidades, o importante é que o aluno compreenda bem o que o espera no ensino secundário de matemática.

Depois, o aluno só tem de estudar! E se não compreender totalmente todas as alíneas da matéria à primeira, não deve desesperar!

As dúvidas são as piores inimigas da aprendizagem, sobretudo porque enfraquecem a nossa autoestima e perturbam o nosso estudo. Por isso, o conselho da Superprof é que o aluno enfrente as suas dúvidas sem ter medo delas, recorrendo a todos os métodos possíveis para as resolver de forma prática e eficaz.

Consultar outros manuais de matemática

Se o estudante não compreendeu algum conteúdo específico, durante as últimas aulas de matemática, não é o fim do mundo. Pode procurar outros materiais didáticos de matemática que explorem essa matéria que tanto o atormenta.

Isto porque diferentes manuais têm diferentes metodologias. E, por isso, é perfeitamente possível que o aluno encontre num manual aquilo que não lhe pareceu claro noutro.

Além disso, não é necessário que o aluno adquira todos esses manuais de matemática – pode encontrá-los na biblioteca da sua escola, ou até na biblioteca municipal da zona onde reside.

Oito estantes de livros numa biblioteca.
Consultar outros livros de matemática numa biblioteca escolar ou municipal é sempre uma solução | Fonte: Pixabay

E lembre-se que a Internet é sempre uma fonte inesgotável de conteúdo, havendo inúmeros sites de professores de matemática com diversos conteúdos explicativos que o podem ajudar.

Fazer fichas, resumos de matemática

O aluno também pode preparar o seu próprio material didático!

Nesse caso, além de escolher a metodologia que prefere, pode ir direto ao assunto, escrevendo todos os conceitos chave de que necessita para o seu estudo, incluindo o teorema de Pitágoras, a relação de Euler, o princípio de Cavalieri, as relações de Girard, a circunferência trigonométrica, as equações trigonométricas, as funções seno e cosseno…entre tantas outras coisas!

Basta agarrar em canetas de várias cores, escolher um papel resistente e escrever os resumos do que aprendeu nas aulas ou explicações de matemática dessa semana.

Ter aulas de matemática particulares

Caso os livros e as fichas não sejam o suficiente, o melhor é pedir ajuda a um professor de matemática particular. E não, o aluno não deve cair no erro de não julgar que as explicações de matemática particulares são só para os mais fracos. Pelo contrário, as aulas de matemática particulares são para todos — dos amantes dos números aos que detestam a matemática – e estão disponíveis para todos os níveis.

Além disso, com um professor de matemática só para si, o aluno pode ir direto ao assunto, procurando uma solução para todas as suas dificuldades.

Com um professor de matemática que se adapte às suas necessidades, o estudante vai encarar as sequências, progressões aritméticas e geométricas, teoremas, triângulos e cálculos como bons desafios que fazem da matemática divertida!

Quem sabe se com a ajuda de um professor de matemática particular o aluno não fica até interessado em saber o que fazer para se transformar num profissional da matemática!

Estudar matemática em grupo

Estudar com colegas também pode ser muito útil para os que querem vingar na disciplina dos números e não deixar que o secundário lhes deixe a matemática a meio gás...

O importante é que todos estejam concentrados na hora de estudar e que saibam programar o estudo e gerir bem as pausas!

Além disso, é fundamental que os alunos estejam confortáveis uns com os outros, pois só assim poderão aproveitar os pontos fortes de uns para melhorar os pontos fracos dos outros. Talvez até haja um 'amigo génio' que possa ajudar os restantes a estudar matemática tão bem quanto um professor.

Resolver exercícios de matemática e nunca desistir

Ninguém nasce ensinado. Por isso, para que o conteúdo entre definitivamente na nossa cabeça, é preciso resolver muitos exercicios de matematica.

Ideal é que o aluno esteja focado e não se deixe desanimar. E, se não for um grande amante da matemática, deve lembrar-se que o exame nacional de matemática abre muitas portas para o estudo de muitas outras ciências exatas e, por isso, os anos de preparação para esse exame são cruciais!

Fazer e refazer exercícios de matemática

Aprender matemática sem fazer exercícios é impossível. Portanto, não adianta fazer apenas um da lista de 20 exercícios de matemática para trabalho de casa. Sim, porque mesmo que sejam parecidos, fazer e refazer o mesmo tipo de cálculos é o que ajuda a cimentar o conceito neles utilizado.

E quanto mais difíceis forem os exercícios, mais vezes o aluno os deve resolver!

Depois de muito praticar, não há como não tirar uma grande nota nos testes ou exames. Seja persistente.

Este é um conselho válido para quem quer vingar no ensino secundário, mas é também uma das dicas para preparar o Graduate Management Admission Test — o exame de matemática padronizado exigido pelas melhores faculdades de administração e negócios do mundo!

Analisar exercícios de matemática corrigidos

Uma ótima solução para aprender a fazer aqueles exercícios mais complicados é utilizar materiais com os exercícios de matemática corrigidos.

Assim, o aluno poderá, depois de passar horas a tentar resolver um exercício, perceber, finalmente, o raciocínio por trás dele! Consequentemente, será também mais fácil de memorizar os passos que, da próxima vez, o podem levar à resposta certa.

Não deixar para amanhã o que pode ser feito hoje

A procrastinação é a inimiga número 1 de todos os que querem levar um projeto a bom porto. E no que diz respeito ao estudo da matemática – e, em particular, à matemática como é ensinada no secundário – ela é a armadilha principal dos que falham nesta disciplina.

Sentar-se à secretária e estudar é, de facto, a única maneira! Não pense que é o único a ter uma vontade incontrolável de arrumar o seu quarto precisamente na semana do seu exame de matematica...

Uma menina com uma esfregona e luvas, pronta para limpar.
Não procures inúmeras tarefas alternativas só porque não queres resolver mais exercicios de matematica | Fonte: Pixabay

Equilíbrio emocional vale mais do que tirar 20 a matemática!

Por fim, a Superprof lembra que mais importante do que transitar do ensino básico para o secundário com uma grande nota é que o aluno se mantenha firme durante todo esse processo! Ter medo das mudanças na nossa vida é natural, mas isso não implica que não seja bom passar por elas!

Para isso, o estudante deve permanecer focado durante o período de aulas e, depois, definir horários de estudo, praticar e reservar tempo para descansar.

Só assim pode alcançar um bom equilíbrio emocional e garantir que o stress e a ansiedade não arruinam o seu estudo.

Convencido? Acredite em si: se foi um aluno bem sucedido ao longo do ensino básico, por que razão haveria de deixar de sê-lo no secundário?

Precisa de um professor de Matemática ?

Gostou deste artigo?

5,00/5, 1 votes
Loading...

Marta

Sou, desde sempre, uma ávida leitora, com o coração apontado para a escrita, e uma bibliófila incurável, com um fraquinho por arquivos e espólios. Hoje, trabalho como revisora, editora e produtora de texto freelancer e sou colaboradora do Centro de Linguística da Universidade de Lisboa.