Há estudos que comprovam que a prática de desporto reduz o risco de desenvolver cancro de mama ou do cólon em 25%. Para além disso, regularmente e intensivamente usado durante o tratamento, o desporto também reduz o risco de recaída em 50%.

Praticar desporto ao longo da vida seria um excelente remédio contra o cancro. O desporto e a saúde sempre formaram um casal muito bonito. 25% da população em Portugal corre o risco de ter cancro até aos 75 anos e 10% dos casos serão fatais. No entanto, a boa notícia é que 30% a 50% podem ser prevenidos.

De acordo com vários estudos, o cancro é a principal causa de morte prematura em homens e mulheres com menos de 65 anos. E uma boa parte deles é reflexo de estilos de vida não saudáveis, como a alta exposição ao sol, o tabagismo, o alcoolismo e a vida sedentária.

Por isso, ter uma boa condição física ajuda inevitavelmente a lutar contra os efeitos do cancro. Para evitar que uma pessoa que já sofreu de cancro passe por isso novamente, recomenda-se a prática de um desporto. O simples exercício diário não é suficiente.

É importante que o paciente tenha um treino desportivo intensivo e devidamente adaptado para evitar que desenvolva qualquer recaída da doença.

Neste artigo, vamos analisar os efeitos do treino desportivo sobre o risco de recaída do cancro e mostrar a importância do desporto na manutenção de uma rotina de saúde.

Médico deve conhecer a sua rotina desportiva
É importante que o seu médico acompanhe o seu treino desportivo e analise se está ajustado. | Fonte: Pixabay

Personal treiner orienta treino para pessoas com cancro

O cancro é caracterizado por uma proliferação celular anormalmente densa dentro de um tecido viável do corpo, o que poderá colocar em risco a sobrevivência deste último.

Para prevenir o risco de recaída, é benéfico treinar como atletas de alto nível. Um estilo saudável de vida faz toda a diferença.

As células doentes adquirem características semelhantes às células saudáveis ​​e dividem-se indefinidamente no corpo. Muitas das células até migram para outras áreas do corpo humano, criando metástases e colonizando outros órgãos saudáveis. Por esse motivo, quanto mais tarde se realizar o rastreamento do cancro, mais difícil será o seu tratamento, bem como maior o risco de recaída.

Ninguém pode curar o cancro sem qualquer apoio! Deve sempre contratar um personal treiner!

É por isso que devemos ser bem seguidos e acompanhados pela equipa de saúde. No entanto, o treinador desportivo também pode desempenhar um papel fundamental no tratamento do cancro.

Durante a doença, uma inflamação significativa é criada como resultado da secreção de citocinas, o que resulta na fadiga do cérebro.

As citocinas são substâncias sinalizadoras celulares sintetizadas por células do sistema imune. Por outras palavras, as citocinas desempenham um papel ativo na gravidez, resposta imune, inflamação ou reprodução, mas também desempenham um papel na proliferação celular de cancros.

Estas contribuem para a destruição dos músculos de uma pessoa com cancro. A consequência é que apenas um programa desportivo personalizado pode ajudar o doente.

Como?

Ao reduzir o nível de citocinas no sangue, a atividade física vai lutar mais eficazmente contra a sensação de fadiga. Também irá trabalhar na construção muscular necessária para evitar a sarcopenia - perda de massa muscular.

Se for difícil, o paciente será capaz de fazer ginástica suave, exercendo apenas pequenas atividades físicas. Já será algo positivo e muito bom para a manutenção da saúde.

Para além disso, o ganho de peso acrescenta sempre um fator de alto risco para a recaída e a morte. Para auxiliar na perda de peso, somando a uma boa dieta alimentar, podem ser realizados treinos para o emagrecimento. As atividades no ginásio auxiliam sempre na criação de um estilo de vida saudável.

A grande questão é saber se os métodos de treino individuais que levam os atletas de sucesso a grandes conquistas são adaptáveis ​​à oncologia e à saúde.

Desde a primavera de 2016 que o Instituto Paoli-Calmettes - Centro Regional de Luta contra o Cancro, em Marselha, na França, está a realizar uma investigação oncológica inovadora: alguns pacientes beneficiam de uma preparação física e mental e são tratados como se fossem atletas de alto nível.

Os resultados foram tão convincentes que a Universidade de Marselha vai mesmo criar um curso de coaching desportivo oncológico. O objetivo - chamado Rebound - é incentivar as pessoas em remissão a praticar desporto intensivamente, de modo a evitar recaídas.

O know-how de professores de desportos de alto nível, portanto, investe no campo da medicina especializada. No desporto, o treino começa antes da competição. Por que não iniciaríamos este acompanhamento com um personal treiner no início da doença?

Descubra também: o desporto e a obesidade são compatíveis?

Um corpo forte é sinónimo de saúde.
Fortaleça a sua saúde para vencer o cancro. | Fonte: Pixaybay

Estudos defendem que profissional com curso de pt ajuda no combate ao cancro

Está estabelecido no tratamento do cancro que movimentar-se diariamente - de exercício físico a um programa de treino sustentado - pode reduzir o risco de recorrência de cancro da mama, cancro de cólon e cancro do endométrio.

A atividade física bem planeada e regular proporciona os seguintes benefícios:

  • Preparar o corpo para tratamento;
  • Limitar complicações pós-operatórias;
  • Lutar contra a fadiga;
  • Aumentar a taxa de sobrevivência.

Para além do cumprimento dos critérios de intensidade, regularidade e frequência do treino recomendado pelo profissional com curso de pt, praticar desporto também diminui os efeitos colaterais e toxicidade de tratamentos para corpo.

Diversos estudos sobre cancro mostraram que praticar desportos regularmente reduz o risco de recaída em 50% e facilita o retorno à vida social, familiar e profissional. Porque, infelizmente, entre o trauma psicológico e o estigma social, é complicado manter uma vida completamente normal durante o tratamento de um cancro.

Um estudo americano realizado em 2007, com uma amostra de 252.925 homens e mulheres, observou uma associação inversa entre o nível de atividade física e o risco de mortalidade por cancro.  Ou seja, quanto mais ativo o indivíduo, melhor estará preparado para vencer a doença.

Outro estudo francês publicado em 2014 sobre a vida dois anos após o diagnóstico de cancro, e que envolveu 4349 pessoas, relembrou os benefícios da atividade física para prevenir a recaída.

Este estudo confirmou que a prática desportiva ajuda nas seguintes situações:

  • Lutar contra a diminuição da massa muscular;
  • Reduzir a fadiga;
  • Estimular o sistema imunológico;
  • Fortalecer os laços sociais e lutar contra o isolamento;
  • Melhorar a imagem que os pacientes têm dos seus corpos;
  • Lutar contra o risco de depressão.

Finalmente, um estudo conduzido pela associação de Marseille Sourire à la Vie, em 2013, realizado em 11 crianças com cancro, confirmou que o programa de atividade física e desportos implementados com o treino desportivo teve um impacto positivo na saúde física e psicológica de crianças doentes.

Uma alimentação saudável é importante na luta contra o cancro
A sua dieta também será muito importante na recuperação de um cancro. | Fonte: Pixabay

Contrate personal trainer Portugal e descubra como o desporto combate a recorrência do cancro

Ninguém vai contradizer os benefícios terapêuticos dos programas de treino - até mesmo praticar desportos em casa - para reduzir o risco de osteoporose, doenças cardiovasculares e diabetes.

Descubra se o desporto e diabetes são compatíveis.

Para além de melhorar a definição do seu corpo e ter um estilo de vida saudável, o paciente pode, por exemplo, correr para evitar uma recaída.

Todos sabemos que mover-se é bom. Mas é melhor encontrar um personal trainer Portugal que crie um programa personalizado para ter uma atividade física adaptada ao tipo de cancro.

O relaxamento do tecido muscular e do esforço segregam dopamina, melatonina e serotonina. Estes neurotransmissores melhoram o sono, recuperam ou regulam a sensação de bem-estar do corpo humano.

Estas hormonas virão principalmente para limitar o crescimento de células tumorais e estimular as defesas imunológicas.

O treino desportivo não significa esculpir o corpo como atletas de alto nível: um mínimo de treino melhorará a luta contra a fadiga e ajudará a apoiar os tratamentos de imunoterapia ou quimioterapia.

Iremos agora apresentar algumas boas possibilidades de exercícios a realizar. Deverá escolher as opções que vão de encontro aos seus gostos:

  • Exercícios de fitness;
  • Musculação para ganho de massa muscular;
  • Cardio;
  • Alongamento;
  • Pilates;
  • Corrida;
  • Boxe com um instrutor de fitness;
  • Exercícios funcionais;
  • Aulas de Zumba para manter a forma e a socialização;
  • Natação para permitir o alongamento de todos os músculos.

Com um personal trainer Portugal, a resistência será trabalhada, para uma preparação física adequada para atingir seus objetivos. O desporto também pode lutar contra um cancro já declarado.

Cientistas da Universidade de Copenhaga também observaram em camundongos (espécie de rato doméstico) com cancro de pulmão que a atividade física reduziu significativamente o tamanho dos tumores que tinham. Portanto, existe de facto uma influência do desporto no combate dos tumores! Os camundongos ativos reduziram os seus tumores em 50%, ao contrário dos que permaneceram sedentários.

Desenvolver e estruturar a atividade física em oncologia e hematologia faz com que os pacientes em tratamento ou remissão de cancro, possam praticar bem a atividade física dedicada e participar de programas desportivos, seja na cidade ou mesmo no hospital. O que é mais importante, é manter os movimentos.

Durante o exercício, o corpo liberta adrenalina, o que permite às células saudáveis ​​atacarem melhor as células cancerígenas.

Diversos investigadores de uma universidade em Toronto testaram uma meta-análise sobre a prevenção do risco de recorrência após o cancro de mama. Destacaram o facto de que entre atividade física, cuidado nutricional, abstinência de tabaco e álcool, é de facto o desporto que tem os efeitos mais convincentes no caminho para a remissão.

A atividade física é uma opção terapêutica não medicamentosa que justifica a sua integração no caminho do cuidado e pode ser incluída na rotina dos pacientes.

O personal trainer irá recomendar melhores exercícios
O personal trainer pode ajudar durante o tratamento. | Fonte: Pixabay

Com o apoio de um personal treiner pode ultrapassar cancro como grandes atletas

O espírito desportivo não está tão distante da luta contra o cancro. Em ambos os casos, é preciso lutar consigo mesmo, derrotar o adversário e sair triunfante.

Lance Armstrong, apesar de condenado por doping, é uma prova viva de que o desporto pode ajudar no combate ao cancro. Muitos atletas saíram vitoriosos na sua luta contra a doença.

Deixamos aqui alguns exemplo:

  • Lance Armstrong, campeão mundial de ciclismo e sete vezes vencedor do Tour de France de 1999 a 2005, derrotou o cancro testicular com metástases no seu abdómen, pulmões e cérebro. A luta decorreu entre 1996 a 1997, até à sua completa remissão;
  • Eric Abidal, jogador de futebol francês liderou uma luta contra o cancro de fígado. Foi diagnosticado em 2011 e regressou seis semanas depois ao campo para ganhar a Liga dos Campeões contra o Manchester United com a camisa do Barcelona. Passou por um transplante de fígado em 2012 e retomou o treino em 2014, no mesmo ano em que se reformou.

Descubra se desporto e hipertensão são compatíveis.

Precisa de um professor de Personal trainer ?

Gostou deste artigo?

5,00/5 - 1 voto(s)
Loading...

Maria

Copywriter e Produtora de Conteúdo. Dirige o projeto dedicado à criação de conteúdo: Maria Escreve. Gosta de criar artigos que esclareçam as dúvidas e acrescentem valor aos leitores.