Quando se fala sobre a Grande Depressão, imaginamos que isto foi um evento económico americano mas, na verdade, este acontecimento da historia afetou ainda muitos países, sendo que vários países que sofreram os efeitos posteriores da depressão tiveram uma recuperação muito mais lenta que os Estados Unidos.

Isto não significa que a crise do mercado americano de 1929 foi diretamente responsável pelos problemas económicos de cada um dos outros países, mas esse evento foi, sem dúvida, o catalisador que levou à crise económica global.

Nos dias de hoje, quando se ouve este termo, os pensamentos remetem imediatamente para 2008. Contudo, por mais preocupante e impactante que este momento recente tenha sido, consideramos que não se compara em magnitude ao desastre económico de quase um século atrás.

O que causou este acontecimento épico? Quais as suas consequências no resto do mundo? Provavelmente já obteve estas e outras respostas nas suas aulas de historia 7 ano ou nas aulas de historia de portugal para miudos.

Os melhores professores de História disponíveis
Gabriel
5
5 (11 avaliações)
Gabriel
10€
/h
Gift icon
1ª aula grátis!
Sandra
5
5 (30 avaliações)
Sandra
9€
/h
Gift icon
1ª aula grátis!
Inês cavadas
5
5 (16 avaliações)
Inês cavadas
12€
/h
Gift icon
1ª aula grátis!
Isabel
4,9
4,9 (7 avaliações)
Isabel
8€
/h
Gift icon
1ª aula grátis!
Carolina
5
5 (3 avaliações)
Carolina
15€
/h
Gift icon
1ª aula grátis!
Filipa
5
5 (8 avaliações)
Filipa
15€
/h
Gift icon
1ª aula grátis!
Célia
5
5 (14 avaliações)
Célia
18€
/h
Gift icon
1ª aula grátis!
Fabricio
5
5 (13 avaliações)
Fabricio
6€
/h
Gift icon
1ª aula grátis!
Gabriel
5
5 (11 avaliações)
Gabriel
10€
/h
Gift icon
1ª aula grátis!
Sandra
5
5 (30 avaliações)
Sandra
9€
/h
Gift icon
1ª aula grátis!
Inês cavadas
5
5 (16 avaliações)
Inês cavadas
12€
/h
Gift icon
1ª aula grátis!
Isabel
4,9
4,9 (7 avaliações)
Isabel
8€
/h
Gift icon
1ª aula grátis!
Carolina
5
5 (3 avaliações)
Carolina
15€
/h
Gift icon
1ª aula grátis!
Filipa
5
5 (8 avaliações)
Filipa
15€
/h
Gift icon
1ª aula grátis!
Célia
5
5 (14 avaliações)
Célia
18€
/h
Gift icon
1ª aula grátis!
Fabricio
5
5 (13 avaliações)
Fabricio
6€
/h
Gift icon
1ª aula grátis!
Vamos lá

Ser professor de história é ensinar como aconteceu a Grande Depressão

Existem duas teorias principais que antecederam a trágica queda do mercado das ações:

  •  O postulado keynesiano defende que a menor despesa agregada levou à menor renda e a um maior desemprego, que deu por sua vez, origem a um cenário económico insustentável;
  • A postura monetarista argumenta que o início da Grande Depressão coincide com a crise bancária que resultou do desaparecimento de um terço dos bancos americanos repentinamente.

Dito isto, sabe-se que ambas as teses colocam a maior parte da culpa no Federal Reserve, o sistema bancário central dos Estados Unidos que foi estabelecido apenas 16 anos antes do evento de 1929, ironicamente como resultado de uma situação de desordem financeira semelhante.

Verifique como encontrar explicações em Cascais historia.

Bandeira EUA
A Grande Depressão teve origem nos Estados Unidos e bastantes consequências na historia da economia de todo o mundo. | Fonte: Unsplash

Contudo, mesmo com este gigantesco colapso económico à vista, o sistema decidiu não reduzir as taxas de juros nem aumentar a circulação dos fundos de caixa e isto resultou num estado de pânico para todo o país pois qualquer pessoa que tivesse dinheiro no banco, apressou-se a recolhê-lo antes que ele pudesse desaparecer.

E, agora conseguimos compreender porquê que durante a crise de 2008/2009, o governo americano propôs no mercado vários resgates e reduziu as taxas de juros!

Essa pressa atingiu o estágio mais amplo das finanças nacionais: onde países de todo mundo estavam à espera de vender as suas ações. Contudo, como não havia compradores, esperava-se que o mercado caísse mais tarde ou mais cedo.

Atualmente, todos os economistas concordam com a visão keynesiana ou monetarista, sendo que, no entanto, existem outras formas de atuação no mundo da banca, das quais uma merece especial destaque.

Por outro lado, e embora os Estados Unidos da América não se tenham envolvido ativamente na Primeira Guerra Mundial até o ano anterior, a sua economia viu um crescimento notável ao apoiar os esforços de guerra e ainda mais quando os americanos finalmente se uniram aos combates.

E, nos anos imediatamente seguintes, o país desfrutou de grandes evoluções nos campos da engenharia e da inovação, como por exemplo, a criação do modelo A de Henry Ford que era barato e por isso até as pessoas com mais dificuldade financeira podiam comprá-lo, a comercialização da primeira máquina de lavar e, em 1918, a empresa William Durant iniciou a produção em massa de frigoríficos para uso doméstico.

Assim, sabe-se que todas estas inovações estavam ao alcance da maioria das famílias e a economia ia crescendo ao longo do tempo, de uma forma satisfatória.

Contudo, não nos podemos esquecer que os carros, as máquinas de lavar roupa e os frigoríficos são considerados bens duráveis, ou seja, não se desgastam nem estragam rapidamente, e nem precisam ser substituídos com muita frequência.

E, infelizmente, a especulação na época não incluiu esta consideração e por isso deu-se uma superprodução sem escoamento, o que gerou, obviamente, uma paragem muito brusca e repentina na economia americana.

Assim, pode dizer-se que o fato dos preços das ações terem começado a cair no início de setembro, ou seja, antes do colapso do mercado das ações do final de outubro, dá alguma credibilidade a esta teoria.

CARRO
O modelo A de Henry Ford foi um dos carros mais baratos da historia e até as pessoas com mais dificuldades financeiras podiam comprá-lo.| Fonte: Unsplash

Este pensamento chegou até nós através de uma escola austríaca de pensamento económico que defende que os indivíduos são os principais responsáveis ​​por estes fenómenos sociais.

Porém e independentemente da veracidade de qualquer uma das teorias, sabe-se com certeza que o Federal Reserve é o principal responsável pela conhecida quinta-feira negra da historia.

Aulas de história: as consequências imediatas da Quinta-feira Negra

A crise do mercado que aconteceu a 1929 marcou o início de um período de dez anos de extrema pobreza nos EUA. O desemprego rondava uma taxa de 30% e até os empresas agrícolas, produtoras de bens essenciais alimentares sentiam a pressão pois não havia compradores para tanto produto.

E, à medida que a crise circulava pelo mundo, outros países tiveram que quebrar os acordos comerciais anteriormente benéficos para controlar os seus próprios desastres financeiros.

A agricultura americana foi a mais prejudicada pelas condições do depósito que atormentavam o coração do país uma vez que, o solo mais rico e mais fértil tinha sido reduzido a poeira por anos de más práticas agrícolas e ainda por um período de seca severa.

No início da década de 1930, os agricultores, inclusive os da região dos depósitos do lixo, não conseguiam cumprir as suas obrigações perante os empréstimo e os bancos começaram a ficar muito prejudicados com a falta de cumprimento de pagamentos.

Como se esta situação já não fosse suficiente, sabe-se ainda que o presidente Herbert Hoover perdeu rapidamente o interesse pela parte da população faminta e desesperada que acreditava, por sua vez, que o governador não estava a fazer o suficiente para mudar o rumo de toda esta situação e por isso, Franklin Roosevelt venceu a eleição presidencial de 1932 com uma vitória esmagadora.

Franklin R. começou a trabalhar imediatamente para restaurar a economia do seu país através da atribuição de pacotes de estímulo destinados a bancos e grandes indústrias. Com o seu New Deal, ele colocou o país ao serviço de várias funções necessárias, como por exemplo, a construção de estradas, de monumentos e de parques nas cidades.

Operarios nos EUA
Franklin R. trabalhou muito para a recuperação da historia e da restauração do seu país. | Fonte: Unsplash

Em todo o país, podiam ver-se os homens do Corpo de Conservação Civil, reconstruindo a América, tendo consigo poucos materiais mas muita esperança e vontade de renascer.

Considera-se assim que, 0 presidente Roosevelt não revolucionou apenas a economia com também deu aos cidadãos americanos um motivo de orgulho e um propósito de vida.

Mas como se encontravam os outros países num dos periodos da historia mais difíceis para a economia? Descubra com professores na sua cidade, por exemplo para aulas de historia Lisboa.

Periodos da historia: quais os efeitos da depressão no resto do mundo?

É de conhecimento geral que praticamente todos os países do mundo, mais ricos ou mais pobres, sentiram de algum modo os efeitos da queda financeira dos Estados Unidos da América.

Contudo, a Rússia que era o único país verdadeiramente comunista do mundo, dependia pouco das economias estrangeiras. Mas, não se inibiu de receber imigrantes da Alemanha e da Finlândia, que ajudaram a industrializar e fortalecer a União Soviética.

Nesta altura, a Rússia encontrava-se em fase de recuperação de uma guerra civil, uma consequência da Revolução Russa que levou Lenin ao poder.

A Depressão abalou tanto a Alemanha que a República de Weimar não conseguiu cumprir as suas obrigações de pagamento de dívidas originadas pela Primeira Guerra Mundial e a situação foi agravada pela retirada do apoio financeiro dos EUA.

Sabe-se que isto, aliado à inquietação social provocada pelo crescente sentimento da ideologia nazi, levou ao colapso dos bancos alemães, e que gerou, por consequência a perda de milhões em moeda nas duas primeiras semanas de junho de 1931.

Para agravar a situação, o pedido do presidente Hoover para a suspensão dos pagamentos da dívida da Alemanha não foi visto com muito bons olhos pela França, um país que, no geral, estava a enfrentar a crise razoavelmente bem, devido (também) aos pagamentos da Alemanha.

Entre a suspensão dos pagamentos da guerra e o financiamento de emergência dos bancos privados, entre eles o Banco da Inglaterra, a Alemanha acabou por conseguir sair da crise económica que se encontrava.

Por outro lado, e na ausência de especulação e do comércio com a Europa, os Estados Unidos tentaram conter a sua crise financeira, com ações de compra e venda de produtos agrícolas superproduzidos.

No entanto, a Lei Tarifária de Fordney-McCumber, de 1922 impunha uma pesada taxa de imposto aos produtos agrícolas que pretendiam proteger a economia americana e por isso causaram o efeito inverso pois os parceiros comerciais europeus viram-se obrigados a cobrar tarifas próprias que os EUA não puderam cumprir.

Como resultado do que os Estados Unidos consideraram tarifas retaliatórias, a tarifa Smoot-Hawley afirmou-se como uma lei em 1930, iniciando uma guerra comercial que prolongava a Grande Depressão do país.

 

Grande Depressão no Mundo
A Grande Depressão foi um evento da historia que afetou todos os países do mundo, ainda que de uma forma diferente. | Fonte: Unsplash

Assim, a economia americana demorou muito mais para se recuperar do que a dos países europeus, cujo setor agrícola já se tinha recuperado o suficiente para produzir alimentos capazes de abastecer pelo menos os seus cidadãos.

Da historia de portugal, sabe-se que os efeitos da Grande Depressão não foram muito relevantes. Isto talvez tenha acontecido devido ao isolamento económico do nosso país face ao exterior e à sua reconstrução sólida do pós-guerra em 1920, ou seja, depois da Primeira Guerra Mundial.

Sabia que a comida era o principal motivo de disputa para os povos colonizados na América, e foi uma das razões para o acontecimento da Revolução Americana?

Por fim, vale a pena dizer que enquanto os americanos desfrutavam dos "loucos anos 20", nenhuma parte do mundo pensava sequer numa depressão económica mas, durante os anos posteriores, todos os países sentiram  de forma leve ou mais pesada os seus efeitos.

Ficou curioso sobre este e outros conflitos mundiais que possam ter criado dificuldades financeiras em todo o mundo ? A Segunda Guerra Mundial também foi um deles!

Se quer descobrir tudo sobre este evento e outros mais, faça um curso de história ou tenha aulas de história na Superprof!

 

>

A plataforma que conecta profes particulares e alunos

1ª aula gratuita

Gostou deste artigo? Deixe a sua avaliação!

5,00 (1 note(s))
Loading...

Marília

Sou licenciada em História da Arte e Mestre em Estudos Artísticos, na vertente de Teoria e Crítica da Arte. No passado, escrevi também alguns artigos para a revista Umbigo (online) e criei e geri todos os conteúdos da plataforma pensarte.pt.