A cozinha e a gastronomia portuguesa são famosas um pouco por todo o mundo. Mas, ao contrário de outras cozinhas internacionais, a gastronomia tradicional portuguesa não é conhecida por pratos de requinte ou fine dining. Na verdade, a nossa gastronomia tradicional é conhecida por isso mesmo, ser tradicional. Os pratos e receitas mais conhecidos são pratos reconfortantes e familiares.

Aliás, grande parte dos portugueses gosta não só de comer, mas também de cozinhar. Por esse motivo, são cada vez mais os cursos e workshops de cozinha tradicional portuguesa que existem no país e cada vez mais os alunos que se inscrevem nestes cursos. De workshops de pastelaria e doçaria conventual, cursos de gastronomia portuguesa, workshops de cozinhas internacionais a aulas particulares com um chef profissional, é notável a procura crescente por formação sobre técnicas de culinária e de preparação de ingredientes no nosso país.

Mas não existe nenhum segredo para ser capaz de cozinhar pratos típicos da cozinha portuguesa, ainda que as técnicas que aprende no curso ou workshop de culinária possam ajudar. Por isso, se gostava de ser capaz de mexer com confiança na cozinha pode fazer um curso de gastronomia online, claro, mas tem é que praticar.

E porque não começar por um dos grandes clássicos da cozinha portuguesa? Neste artigo, vamos falar sobre um prato tradicional e equilibrado da nossa gastronomia, com uma preparação menos complicada do que pode pensar. Continue a ler para saber mais da origem da carne de porco à alentejana, os ingredientes necessários para a confecionar e muito mais. Vamos testar os seus conhecimentos da nossa gastronomia?

estender com rolo cozinha
Um workshop de cozinha é a melhor forma de ter formação sobre diferentes técnicas, sabores de várias cozinhas e cozinhar com um chef com experiência no mundo da cozinha. | Fonte: Pexels.com

Também pode fazer um curso ou workshop de cozinha portuguesa e aprender a fazer tripas à moda do Porto.

Os melhores professores de Culinária disponíveis
Fábio
5
5 (12 avaliações)
Fábio
20€
/h
Gift icon
1ª aula grátis!
Diogo
5
5 (6 avaliações)
Diogo
15€
/h
Gift icon
1ª aula grátis!
Jussy
5
5 (11 avaliações)
Jussy
10€
/h
Gift icon
1ª aula grátis!
Walei
5
5 (24 avaliações)
Walei
18€
/h
Gift icon
1ª aula grátis!
Daniela
5
5 (7 avaliações)
Daniela
10€
/h
Gift icon
1ª aula grátis!
Ângelo
5
5 (9 avaliações)
Ângelo
25€
/h
Gift icon
1ª aula grátis!
Joana
5
5 (9 avaliações)
Joana
10€
/h
Gift icon
1ª aula grátis!
Madalena
5
5 (5 avaliações)
Madalena
20€
/h
Gift icon
1ª aula grátis!
Fábio
5
5 (12 avaliações)
Fábio
20€
/h
Gift icon
1ª aula grátis!
Diogo
5
5 (6 avaliações)
Diogo
15€
/h
Gift icon
1ª aula grátis!
Jussy
5
5 (11 avaliações)
Jussy
10€
/h
Gift icon
1ª aula grátis!
Walei
5
5 (24 avaliações)
Walei
18€
/h
Gift icon
1ª aula grátis!
Daniela
5
5 (7 avaliações)
Daniela
10€
/h
Gift icon
1ª aula grátis!
Ângelo
5
5 (9 avaliações)
Ângelo
25€
/h
Gift icon
1ª aula grátis!
Joana
5
5 (9 avaliações)
Joana
10€
/h
Gift icon
1ª aula grátis!
Madalena
5
5 (5 avaliações)
Madalena
20€
/h
Gift icon
1ª aula grátis!
Vamos lá

Workshop de cozinha e a origem das carne de porco à alentejana

Esta receita tradicional é divulgada na maioria dos roteiros gastronómicos do país e convence quem o prova pela combinação pouco usual de sabores no mesmo prato.

Mas a origem da recita é incerta, ainda que a possamos situar algures durante os tempos da Inquisição. Foi durante esta época que o porco entrou na dieta do sul. Sendo ele um animal protegido pelo judaísmo e islamismo, culturas que eram muito vividas nos territórios além Tejo, a igreja começou a desconfiar de quem não o incluía nas suas receitas.

O ritual da matança do porco começou nesta época, e acredita-se que a receita da carne de porco à alentejana também. Seria uma forma de mostrar aos mais céticos que a única religião que seguiram era o cristianismo, e comprovavam-no a comer porco.

Mas o próprio nome pode ser considerado enganador, uma vez que há quem defenda que a origem desta tradição sulista de montar um prato com amêijoas e porco seja algarvia e não alentejana. E há quem defenda que pela mesma razão é esse prato alentejano e não algarvio.

Reza a lenda que, no Algarve os porcos eram alimentados com espinhas ou farinha de peixe ou da indústria conserveira, e que o sabor da carne ficava alterado quando os suínos seguiam tal dieta. A solução foi disfarçar o sabor marinho do porco colocando amêijoas, e dessa forma arranjar justificação para que o músculo pudesse dar esse saber.

E foi precisamente pelo sabor dos porcos algarvios, alimentados essencialmente a peixe ou derivados dele, que surgiu a necessidade de vender a mesma receita mas com carne suína de melhor qualidade. Apareceu a assim a carne de porco alentejano com amêijoas, que seria a primeira versão alentejana do prato.

Consistia exatamente na mesma coisa, com a exceção do porco ser do Alentejo, e portanto mais saboroso, por ser alimentado a bolotas. Há medida que os anos se passaram, o nome foi deturpado e passou de carne de porco alentejano passou a carne de porco à alentejana.

tabua pao e queijo
Existem várias receitas típicas de cada região do país e muitas delas tem uma lenda ou história de origem com curiosidades interessantes, que a maioria dos portugueses desconhece. | Fonte: Pexels.com

Descubra a origem da francesinha num workshop ou curso de gastronomia portuguesa.

Receita de carne de porco à Alentejana nos cursos cozinha

Tal como num curso ou workshop de cozinha tradicional, além das técnicas de preparação, é essencial aprender a receita. Não podíamos descrever a história e não deixar a receita e instruções de preparação.

Estes são os ingredientes necessários para uma porção para quatro pessoas:

  • 800 g de carne de porco sem osso
  • 800 g de batatas
  • 400 g de amêijoas
  • 60 g de pickles
  • 4 dentes de alho
  • 300 ml de vinho branco
  • 50 ml de azeite
  • 3 colheres (sopa) de massa de pimentão
  • Azeitonas pretas q.b.
  • Coentros picados q. b.
  • Sal e pimenta q.b.
  • Óleo para fritar

A primeira coisa que deve fazer é preparar as amêijoas com antecedência. Deve pô-las de molho, em água e sal, no dia anterior, para as limpar e tirar a areia.

Para os mais fanáticos, também a carne de porco pode ser preparada um dia antes, e já que se faz isso com as amêijoas, o trabalho será o mesmo. Deve cortar a carne de porco em pequenos cubos e temperar com os dentes de alho picados, o vinho branco, a massa de pimentão, sal e pimenta. Se quiser, também pode acrescentar louro e outras especiarias. Depois deixe a marinar, submersa nessa mistura, durante toda a noite.

pratos comida
Um workshop de cozinha ou um workshop de pastelaria são a melhor opção para aqueles alunos que querem entrar no mercado de trabalho como um chef de renome. | Fonte: Pexels.com

Quando for altura de cozinhar, retire a carne de porco da marinada, mas sem a deitar fora. A parte do porco vai a fritar num tacho, por cerca de cinco minutos. Aqueça o azeite num tacho, junte a carne e deixe saltear. Após esse tempo, junte a marinada reservada ao tacho e deixe apurar por cinco minutos. A carne deve ficar douradinha, mas com molho. Se for necessário, regue com um pouco de água.

A seguir junte as amêijoas e espere que elas abram, em lume branco. Descasque as batatas, corte-as em cubos e leve-os a fritar em óleo quente. Retire e escorra, sobre papel absorvente. Coloque as batatas numa travessa, adicione a carne cozinhada com as amêijoas, os pickles e as azeitonas pretas. Polvilhe com coentros picados e sirva de seguida.

Nos dias de hoje, a carne de porco à alentejana já tem versões um pouco por todo o país, e pode ser encontrada em restaurantes de cozinha tradicional portuguesa de norte a sul. Nos restantes países do mundo, a combinação de marisco e carne pode parecer um conceito de gastronomia estranho, mas depois de provarem a receita não restam dúvidas da sua qualidade.

Num workshop ou num curso de pastelaria poderá aprender várias técnicas para fazer ovos moles.

Aprender a cozinhar com aulas de culinária

Para aprender a fazer uma receita como a carne de porco à alentejana, pode praticar sozinho em casa, ver vídeos de tutoriais ou recorrer a ajuda profissional, com um workshop de gastronomia portuguesa presencial ou um curso de cozinha online. Esta receita não é complicada, mas num workshop de cozinha vai poder aprender muitas mais receitas e pratos, sejam da gastronomia portuguesa ou de outras cozinhas do mundo.

salada e legumes
Pode aprender a cozinhar em vários lugares como cursos, workshops ou em casa, desde que tenha respeito pelos ingredientes e execute as diferentes técnicas corretamente. | Fonte: Pexels.com

Com um curso de culinária, tem acesso aos conselhos e dicas de um chef profissional, com vários anos de experiência na cozinha e que lhe pode ensinar várias técnicas de preparação, tempero e confeção dos ingredientes e muito mais. Isto permite não só que aprenda a fazer variados pratos distintos, mas também que se sinta mais confortável na cozinha e que possa criar as suas próprias receitas e menus.

Se quiser aprender a fazer pratos típicos portugueses, como a carne de porco à alentejana, pode optar por fazer um curso de cozinha portuguesa onde vai aprender todos os pratos mais influentes da nossa gastronomia. Ou se preferir ter uma formação mais personalizada, onde o professor se pode dedicar exatamente aos pratos de cozinha que quer aprender, a melhor opção é ter aulas particulares.

Um curso de cozinha ou aulas particulares permitem ter o apoio de um chef profissional para aprender as receitas das cozinhas que quiser. E até o pode fazer sem sequer sair da casa. Com aulas online pode fazer todas as receitas com que sempre sonhou na sua própria cozinha. As vantagens das aulas particulares são inúmeras.

Por isso, se quer levar o seu sonho de ser proficiente na cozinha a sério, os cursos, workshops ou aulas particulares de culinária são a melhor coisa que pode fazer. E na plataforma online da Superprof encontra dezenas de professores prontos para lhe dar as aulas. De que está à espera?

>

A plataforma que conecta profes particulares e alunos

1ª aula gratuita

Gostou deste artigo? Deixe a sua avaliação!

5,00 (1 note(s))
Loading...

Catarina

Eterna otimista, com um bichinho por viajar. Apaixonada por literatura e ficção. Metro e meio de pessoa, vivo pelo lema "Though she be but little, she is fierce". Trabalho atualmente como tradutora e redatora freelancer.